quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Educação, Escola e Professores

1. Introdução à Educação

A educação é um processo universal do qual ninguém escapa, mas que varia de acordo com a sociedade em que se realiza.
Na definição do processo educacional podem ser feitas duas observações:

  • a primeira observação que faço é a de que parece existir algo de comum entre as várias perspectivas, que é uma espécie de definição dicotômica da educação, na qual esta é sempre classificada em dois termos opostos. Do ponto de vista meramente descritivo – geográfico? –o processo educacional é classificado em formal e informal; a Didática fala-nos seguidamente de educação como processo e como produto; na Moral vamos encontrar a ênfase na distinção educacional entre o certo e o errado, o bom e o mau etc.; já a Filosofia tem se esmerado em separar os fins dos meios no processo educacional; o estudo da educação como prática individual, em oposição à pratica coletiva, parece ser um ponto recorrente em Psicologia

  • a segunda observação diz respeito a uma definição geral de educação, que seria, digamos, aplicável a qualquer uma das distinções anteriores. Trata-se da educação vista como a influência que as gerações consideradas adultas exercem sobre as gerações mais jovens, com o objetivo de levá-las a se desenvolverem-se.- física, intelectual e moralmente – de acordo com as expectativas da sociedade ou, por outra, dos grupos sociais dominantes.

Então, a educação sendo universal, varia de sociedade para sociedade, de um grupo social a outro, segundo as concepções que cada sociedade e cada grupo social tenham de mundo, de homem, de vida social e do próprio processo educativo.

2. Educação e valores

Cada país, cada sociedade tem realidades e valores diferentes e, por isso, tem uma concepção diferente de educação. A idéia de educação de cada povo depende, portanto, da sua realidade concreta e de seus valores.
Numa linguagem bem simples, podemos dizer que valor significa uma preferência por algo. “Um objeto qualquer só assume um valor quando está em relação direta com o humano, que lhe atribui certos caracteres de sentido, podendo não existir no objeto em si, em estado natural. Um valor está associado, portanto, a significados que conferimos as coisas ou a situações que, fora de um contexto bem definido e localizado, podem não representar muito.(...)
Podemos dizer que, desde o momento em que o homem se relaciona com a natureza ou com os outros, ele está valorando. Atribuir sentido especial às coisas é, portanto, um ato que exige uma situação concreta, na qual o indivíduo manifesta sua adesão a determinadas coisas ou repulsa para outras tantas. Pelo fato de viver o homem está constantemente sendo solicitado a escolher e, ao fazer suas escolhas, inevitavelmente está atribuindo significado de bom, mau, útil, inútil as coisas que o rodeiam.”(GARCIA, 1981)”.


Quando discutimos os valores em educação, estamos nos referindo a coisas que têm uma conotação positiva ou negativa.

Vejamos alguns exemplos de valores geralmente aceitos e difundidos em nossas escolas:
Através do estudo, os que são mais capazes chegam aos postos mais importantes.
O trabalho Manual é uma ocupação inferior.
Os que”não querem estudar” ficam relegados às tarefas que nossa sociedade valoriza menos.
O mais importante de tudo é o lucro, a promoção pessoal, a ascensão social mediante o esforço próprio, a poupança, a segurança, etc.

3. Educação, valores e objetivos

Se partirmos de valores diferentes, os objetivos da educação também serão diferentes. “Os objetivos indicam os alvos da ação. Constituem, como lembra o nome, a objetivação da valoração e dos valores. Poderíamos , pois, dizer que a valoração é o próprio esforço do homem em transformar o que é naquilo que deve ser, os objetivos sintetizam o esforço do homem em transformar o que deve ser naquilo que é.”(SAVIANI, 1983)


4. Educação, valores, objetivos e prioridades

O homem não é um ser passivo. Por isso, perante determinada situação, cada um reage de acordo com sua escala de valores. Alguns procuram transformar a situação, pois ela não está de acordo com seus valores. Outros, no entanto, não querem que seja modificada, pois ela corresponde a seus valores.
Os que querem que a situação permaneça como está geralmente estão se beneficiando dela. Essas pessoas, inclusive, estabelecem hierarquia de valores que procuram impor às demais. De maneira geral, na sociedade as hierarquias de valores correspondem aos interesses dos grupos sociais privilegiados.
Por isso, Dermeval Saviani propõe substituir o conceito de hierarquia, tradicionalmente ligado a uma concepção rígida e estática, pelo conceito de prioridade, mais dinâmico e flexível. A prioridade, de acordo com esse autor, é ditada pelas condições da situação existencial concreta em que vive o homem. E para esclarecer sua proposta, apresenta o seguinte exemplo.
“De acordo com a noção de hierarquia, os valores intelectuais seriam, por si mesmos, superiores aos valores econômicos. (...) Assim, se vou educar, seja num bairro de elite, seja numa favela, sempre irei dar mais ênfase aos valores intelectuais do que aos econômicos. No entanto, a nossa experiência da valoração nos mostra que na favela os valores econômicos tornam-se prioritários, dadas as necessidades de sobrevivência, ao passo que num bairro de elite assumem prioridades valores morais, dada a necessidade de enfatizar a responsabilidade perante a sociedade como um todo, a importância da pessoa humana e o direito de todos de participar igualmente dos progressos da humanidade.”( SAVIANI,1983)

5. Objetivos prioritários da educação brasileira

Segundo Dermeval Saviani, em face da realidade concreta do homem brasileiro, temos os seguintes objetivos gerais e prioritários para a nossa educação:

Educação para a subsistência;
Educação para a libertação;
Educação para a transformação;
Educação para a transformação.

Vejamos cada um desses objetivos:

Educação para a subsistência – “Uma análise mais detida revelará que o homem brasileiro, no geral, não sabe tirar proveito das possibilidades da situação e, por não sabe-lo, freqüentemente acaba por destruí-la. Isto nos revela a necessidade de uma educação para a subsistência: é preciso que o homem brasileiro aprenda a tirar da situação adversa os meios de sobreviver.”(SAVIANI, 1983)

Educação para a libertação – “Mas como pode o homem utilizar os elementos da situação se ele não é capaz de intervir nela, decidir, engajar-se e assumir pessoalmente a responsabilidade de suas escolhas?
Sabemos quão precárias são as condições de liberdade do homem brasileiro, marcado por uma tradição de inexperiência democrática, marginalização econômica, política, cultural. Daí a necessidade de uma educação para a libertação: é preciso saber escolher e ampliar as possibilidades de ação.”(SAVIANI, 1983)

Educação para a comunicação – “Como, porém, intervir na situação sem uma consciência das suas possibilidades e dos seus limites? E esta consciência só se adquire através da comunicação. Daí o terceiro objetivo – educação para a comunicação: é preciso que se adquiram os instrumentos aptos para a comunicação intersubjetiva.”(SAVIANI,1983)

Educação para transformação – “tais objetivos, contudo, só serão atingidos com uma mudança sensível no panorama nacional atual, quer geral, quer educacional. Daí o quarto objetivo: educação para a transformação.”(SAVIANI, 1983)

6. Educação e escola

Educação não se confunde com escolarização, pois a escola não é o único lugar onde a educação acontece. A educação também se dá onde não há escola. Em todo o lugar existem redes e estruturas sociais de transferência de saber de uma geração para a outra. Mesmo nos lugares onde não há sequer a sombra de algum modelo de ensino formal e centralizado existe educação.
Atualmente, inclusive, um número crescente de críticas tem sido dirigido à instituição escolar. Os mais radicais exigem a “desescolarização” da sociedade. Essa exigência foi apresentada pela primeira vez por Ivan Illich.(ILLICH, 1973), e mais claramente pelo professor e crítico educacional John Holt (HOLT, 1972). As escolas , concordam Holt e Illich, não podem funcionar. Somente se as escolas fossem abolidas, as crianças aprenderiam.
Será isso verdade?
Muitos pensadores e críticos educacionais discordam dessa maneira de pensar. Para Peter Drucker, por exemplo, “as escolas realmente precisam de mudanças drástica em todos os níveis. Mas o que nós precisamos não é de uma ‘não-escola’, e sim de uma instituição de ensino que funcione e que seja administrada adequadamente”.(DRUCKER, 1975).
Outros autores, que também questionam a qualidade de nossas escolas, julgam necessário que haja alguma forma de educação sistemática.
Convém lembrar, também, que além dos lugares onde a educação se processa de forma sistemática – as escolas –, existem lugares onde ela se processa de forma assistemática. Entre esses lugares podemos citar: a família, a igreja, os sindicatos, as empresas, os meios de comunicação de massa, etc.
A família por exemplo, é o primeiro elemento social que influi na educação. Sem a família a criança não tem condições de subsistir. Tal necessidade não é apenas de sobrevivência física, mas também psicológica, intelectual, moral e espiritual. A família, no entanto, encontra uma série de problemas, na sua missão de educar. A falta de preparo de muitos pais para exercer integralmente essa função é o principal problema.
Dessa falta de preparo surge uma série de outros problemas: falta de amor, de carinho, de trato adequado, frustração, separações, abandono do lar, etc.
Por isso, há uma necessidade da educação dos próprios pais para a paternidade e a maternidade. Essa é também uma das funções da escola.
A escola só conseguirá preencher essa função quando houver um entrosamento dos pais com a escola e com a comunidade.
Assim, a escola deve ser o ambiente em que os pais e professores promovam conjuntamente a educação. Aliás, toda a comunidade deve participar, criando condições e buscando recursos, para que os pais e educadores possam desempenhar sua missão. Só assim a escola deixará de ser um meio de perpetuar os vícios da sociedade. Para tornar-se “um lugar, um ambiente, em que as crianças ou jovens se reúnem entre si e com educadores profissionais, para tomarem consciência mais profunda de suas aspirações e valores mais íntimos e mais legítimos, e tomarem decisões mais esclarecidas sobre sua vida, a partir de aprendizagens significativas”.(SCHMITZ, 1982)


No entanto, essa transformação não é fácil. Isso porque não é possível fazer uma mudança profunda na escola enquanto não se fizer também uma profunda mudança social “que proponha nossos ideais comunitários e pessoais com uma nova maneira de ver a realidade e a história e que valorize de forma diferente a educação do povo e a cultura popular”.(NIDELCOFF)
O maior problema, observa Paulo Freire, não é o fracasso da escola, mas o fracasso da sociedade inteira como comunidade educativa. Enquanto Illich considera a escola uma instituição que começa e termina em si mesma. Paulo Freire estuda o problema da educação inserido dentro dos mecanismos sociais. Nesse sentido, ele afirma: “Não é a educação que forma a sociedade de uma determinada maneira, senão que esta, tendo-se formado a si mesma de uma certa forma, estabelece a educação que está de acordo com os valores que guiam essa sociedade. (...) A sociedade que estrutura a educação em função dos interesses de que tem o poder, encontra na educação um fator fundamental para a preservação desse poder”.
FREIRE, P e ILLICH, 1975)
Diante dessa situação, o que é possível fazer?
É o próprio Paulo Freire que responde:
“Só é possível uma transformação profunda e radical da educação quando a sociedade tenha se transformado radicalmente. Isso não significa que o educador nada possa fazer. É muito o que ele pode realizar, ainda que para tanto não conte com normas prescritas para suas atividades. Com efeito ele mesmo deve descobri-las e averiguar por si mesmo como praticá-las em sua situação histórica particular”.(FREIRE, P)

7. Educação e professores

O professor profissional não é o único agente da educação. Assim como a validade e a necessidade da escola é questionada, também a necessidade da escola é questionada, também a existência de professores profissionais é posta em dúvida por alguns críticos educacionais. Georges gusdorf escreveu um livro cujo título lança uma pergunta fundamental quê: professor para quê? (GUSDORF, G , 1970)
Numa época em que se põe em dúvida a necessidade da escola e, inclusive, da própria família, é muito importante pensar sobre essa pergunta. Para responde-la devemos partir de outra pergunta: o que é o professor?
Se admitirmos que o professor é um transmissor de informações ou um fabricante de especialistas, podemos admitir que sua função não é tão necessária. Sabemos, no entanto, que o professor não pode se limitar a um simples repetidor. Sua função é bem mais ampla.
É o próprio Gusdorf quem nos dar a idéia da dimensão da função do professor: “É assim que, freqüentemente, nestes princípios de vida, o professor primário intervém para substituir o pai e a mãe na função principal de testemunha e indicador da Verdade, do Bem e do Belo. Cabe-lhe servir de refúgio a todas as esperanças traídas: sobre ele repousam a ordem do mundo e a ordem do homem.(GUSDORF, G, 1970)
Para se ter uma idéia mais clara da importância do professor primário, basta pensar no mal que ele poderá causar às crianças se for um mau professor. O mau que poderá causar é, sem dúvida, uma prova do bem que ele poderá realizar se tiver uma personalidade equilibrada e amor à sua função e a seus alunos.
O que mais influi nas crianças das primeiras séries do ensino de primeiro grau é a personalidade do professor. “O professor dominador que emprega a força, ordena, ameaça, culpa, envergonha e ataca a posição pessoal do aluno, evidentemente exercerá sobre a personalidade do mesmo uma influência distinta do professor que solicita, convida e estimula. Este, por meio de explicações, faz com que seus objetivos adquiram significado para o aluno, o qual passa a ter uma atitude de simpatia e colaboração.(MARQUES, J. C. 1977)
Grande parte dos comportamentos e das atitudes dos alunos é provocada pelo comportamento, pelos métodos e pelas atitudes do professor.
“ O professor que tem entusiasmo, que é otimista, que acredita nas possibilidades do aluno , é capaz de exercer uma influência benéfica na classe como um todo e em cada aluno individualmente, pois sua atitude é estimulante e provocadora de comportamentos ajustados. O clima da classe torna-se saudável, a imaginação criadora emerge espontaneamente e atitudes construtivas tornam-se a tônica do comportamento da aula como grupo.” (MARQUES, J. C. 1977)
Segundo Frances Rummel, as principais características de um bom professor – apresentadas por Juraci C. Marques são:
Os melhores professores estão profissionalmente alertas. Não vivem suas vidas confinados ou isolados do meio social. Tentam fazer da comunidade e particularmente a escola o melhor ambiente para os jovens.
Estão convencidos do valor de seu trabalho. Seu desejo é exercer cada vez melhor a profissão a que se dedicam.
São humildes, sentem necessidades de crescimento e desenvolvimentos pessoais, porque compreendem a grande responsabilidade da função que exercem.
Embora o professor profissional não seja o único agente da educação, ele desempenha e continuará a desempenhar um.papel muito importante na educação das futuras gerações.
É bem verdade que atualmente existem muitas limitações que impedem que o professor exerça essa função com maior eficácia. A superação de muitas dessas limitações, no entanto, não depende exclusivamente dele nem do sistema escolar. Como vimos, depende principalmente da transformação da estrutura social.
Mas, mesmo com relação a esse aspecto, o próprio professor pode desempenhar um papel muito importante. Ele, mais do que qualquer outro profissional, tem enormes possibilidades de ser um agente de transformação social. Para tanto é preciso que se proponha a ter uma participação ativa no processo pedagógico. Deverá, por exemplo, indagar-se constantemente sobre a legitimidade dos fins pedagógicos da escola, sobre os objetivos propostos, sobre o conteúdo apresentado, sobre os métodos utilizados, enfim, sobre o sentido social e político de sua própria atividade docente.
O professor, portanto, em sua atividade docente, poderá está trabalhando para mudar a sociedade ou para conserva-la na forma em que ela se encontra. Nesse sentido, Maria Teresa Nidelcoff apresenta três tipos de postura possíveis:
Existem mestres para quem tudo está muito bem do jeito que está e para quem os valores e as características da sociedade atual não devem mudar e devem mesmo ser difundidos. Eles atuam conscientemente como representantes do atual regime social, assumindo a responsabilidade de incorporar os alunos a tal regime, e de adaptá-los ao sistema de vida e aos valores que a sociedade propõe.
Outros, que são a maioria, definem-se a si mesmos como ‘professores’ e nada mais, ‘professores-professores’. Afirmam que ‘a escola é a escola e a política é a política’. Em outras palavras: eles não percebem ou não querem perceber as implicações ideológicas e sociais de muitas das tarefas e dos ‘ritos’ escolares. Com sua atitude aparentemente apolítica e sua postura acrítica, eles se convertem de fato em policiais – guardiões do regime social – sem sabe-lo, e muitas vezes sem quere-lo.


A terceira opção pode ser definida como o ‘professor-povo’. Ele não acredita que sua missão seja difundir entre o povo os valores do opressor; ao contrário, acredita que o sentido do seu trabalho é ajudar o povo a se descobrir, a expressar, a se liberar. Quer construir a escola do povo, a partir do povo. Ou seja: ‘professor povo’ é aquele que quer contribuir através do seu trabalho para a criação de homens novos e para a edificação de uma sociedade também nova, onde se dê primazia aos despossuídos e onde o povo se torne protagonista. Ele será um professor para modificar, não conservar.”

8. Educação e sociedade

O trabalho docente é parte integrante do processo educativo mais global pelo qual os membros da sociedade são preparados para a participação na vida social. A educação – ou seja, a prática educativa – é um fenômeno social e universal, sendo uma atividade humana necessária à existência e funcionamento de todas as sociedades. Cada sociedade precisa cuidar da formação dos indivíduos, auxiliar no desenvolvimento de suas capacidades físicas e espirituais, prepara-los para a participação ativa e transformadora nas várias instâncias da vida social.
Através da ação educativa o meio social exerce influências sobre os indivíduos e estes, ao assimilarem e recriarem essas influências, tornam-se capazes de estabelecer um a relação ativa e transformadora em relação ao meio social. Tais influências se manifestam através de conhecimentos, experiências, valores, crenças, modos de agir, técnicas e costumes acumulados por muitas gerações de indivíduos e grupos , transmitidos, assimilados e recriados pelas novas gerações. Nesse entendimento, podemos afirmar que a prática educativa se manifesta da seguinte forma:
Em sentido amplo, a educação compreende os processos formativos que ocorrem no meio social, nos quais os indivíduos estão envolvidos de modo necessário e inevitável pelo simples fato de existirem socialmente; neste sentido, prática educativa existe numa grande variedade de instituições e atividades sociais decorrentes da organização econômica, política e legal de uma sociedade, da religião, dos costumes, das formas de convivência humana.
Em sentido estrito, a educação ocorre em instituições específicas, escolares ou não, com finalidades explícitas de instrução e ensino mediante uma ação consciente, deliberada e planificada, embora sem separar-se daqueles processos formativos gerais.
Os estudos que tratam das diversas modalidades de educação costumam caracterizar as influências educativas como não-intencionais e intencionais.

A educação não-intencional refere-se às influências do contexto social e do meio ambiente sobre os indivíduos. Tais influências, também denominadas de educação informal, correspondem a processos de aquisição de conhecimentos, experiências, idéias, valores, práticas, que não estão ligados especificamente a uma instituição e nem são intencionais e conscientes. São situações e experiências, por assim dizer, casuais, espontâneas, não organizadas, embora influam na formação humana. É o caso, por exemplo, das formas econômicas e políticas de organização da sociedade, das relações humanas na família, no trabalho, na comunidade, dos grupos de convivência humana, do clima sócio-cultural da sociedade.
A educação intencional refere-se a influências em que há intenção e objetivos definidos conscientemente, como é o caso da educação escolar e extra-escolar. Há uma intencionalidade, uma consciência por parte do educador quanto aos objetivos e tarefas que deve cumprir, seja ele o pai, o professor, ou os adultos em geral – estes, muitas vezes, invisíveis atrás de um canal de televisão, do rádio, do cartaz de propaganda, do computador etc. Há métodos, técnicas, lugares e condições específicas prévias criadas deliberadamente para suscitar idéias, conhecimentos, valores, atitudes, comportamentos. São muitas as formas de educação intencional e, conforme o objetivo pretendido, variam os meios. Podemos falar da educação não-formal quando se trata de atividade educativa estruturada fora do sistema escolar convencional( como é o caso de movimentos sociais organizados, dos meios de comunicação de massa etc.) e da educação formal que se realiza nas escolas ou outras agências de instrução e educação( igrejas, sindicatos, partidos, empresas) implicando ações de ensino com objetivos pedagógicos explícitos, sistematização, procedimentos didáticos.

As formas que assume a prática educativa, seja não-intencionais ou intencionais, formais ou não-formais, escolares ou extra-escolares, se interpenetram. O processo educativo, onde quer que se dê, é sempre contextualizado social e politicamente; a uma subordinação à sociedade que lhe faz exigências, determina objetivos e lhe provê condições e meios de ação. Assim, as finalidades e meios da educação subordinam-se à estrutura e dinâmica das relações entre classes sociais, ou seja, são socialmente determinados.
Que significa a expressão “a educação é socialmente determinada”? Significa que a prática educativa, especialmente os objetivos e conteúdos do ensino e o trabalho docente, estão determinados por fins e exigências sociais políticas e pedagógicas. Este fato é fundamental para se compreender que a organização da sociedade, a existência das classes sociais, o papel da educação estão implicados nas formas que as relações sociais vão assumindo pela ação prática concreta dos homens.

9. Educação, instrução e ensino

Antes de prosseguirmos nossas considerações, convém esclarecer o significado dos termos educação, instrução e ensino. Educação é um conceito amplo que se que se refere ao processo de desenvolvimento onilateral da personalidade da personalidade, envolvendo a formação de qualidades humanas _ físicas, morais, intelectuais, estéticas _ tendo em vista a orientação da atividade humana na sua relação com o meio social, num determinado contexto de relações sociais. A educação corresponde, pois, a toda modalidade de influências e inter-relações que convergem para a formação de traços de personalidade social e do caráter, implicando uma concepção de mundo, ideais, valores, modos de agir, que se traduzem em convicções ideológicas, morais, políticas, princípios de ação frente a situações reais e desafios da vida prática. Nesse sentido, educação é instituição social que se ordena no sistema educacional de um país, num determinado momento histórico; é um produto, significando os resultados obtidos da ação educativa conforme propósitos sociais e políticos pretendidos; é processo por consistir de transformações sucessivas tanto no sentido histórico quanto no desenvolvimento da personalidade.
A instrução se refere à formação intelectual, formação e desenvolvimento das capacidades cognoscitivas mediante o domínio de certo nível de conhecimentos sistematizados. O ensino corresponde a ações, meios e condições para a realização da instrução; contém, pois, a instrução.


Há uma relação de subordinação da instrução à educação, uma vez que o processo e o resultado da instrução são orientados para o desenvolvimento das qualidades específicas da personalidade. Portanto, a instrução mediante o ensino, tem resultados formativos quando convergem para o objetivo educativo, isto é, quando os conhecimentos, habilidades e capacidades propiciados pelo ensino se tornam princípios reguladores da ação humana, em convicções e atitudes reais frente à realidade. Há, pois, uma unidade entre educação e instrução, embora sejam processos diferentes; pode-se instruir sem educar, e educar sem instruir; conhecer os conteúdos de uma matéria, conhecer os princípios morais e normas de conduta não leva necessariamente à praticá-los, isto é, a transforma-lo em convicções e atitudes efetivas frente aos problemas e desafios da realidade. Ou seja, o objetivo educativo não é um resultado natural e colateral do ensino, devendo-se supor por parte do educador um propósito intencional e explícito de orientar a instrução e o ensino para objetivos educativos. Cumpre acentuar, entretanto, que o ensino é o principal meio e fator da educação – ainda que não o único – e por isso, destaca-se como campo principal da instrução e educação. Nesse sentido, quando mencionamos o termo educação escolar referimos-nos a ensino.

Sugestões para tarefas de estudo

Quantas formas ou modelos de educação existem?
De que aspectos dependem essas formas ou modelos?
Como explicar o fato de que a educação, embora universal, varia de sociedade para sociedade?
Do que depende a definição dos objetivos gerais da educação?
Em face da realidade concreta do homem brasileiro, quais os objetivos gerais para a nossa educação?
Por que educação não se confunde com escolarização?
Quais os lugares, em nossa sociedade, onde a educação se processa de forma assistemática?
Como a escola poderá superar sua situação de isolamento?
Que características de personalidade deve ter um bom professor?
Quais as características profissionais de um bom professor?
Como o professor pode se tornar um agente de transformação social?
Segundo Paulo Freire como é possível transformar de maneira radical a educação?
Por que a educação é um fenômeno e um processo social?
Explicar as relações entre a definição de educação em sentido mais amplo e em sentido estrito.
Podemos afirmar que nas associações civis, nas associações de bairro, nos movimentos sociais etc., ocorre uma ação pedagógica?
Que significa afirmar que o ensino tem um caráter pedagógico?
Dar uma definição de educação com suas próprias palavras.

Referências bibliográficas:

Piletti, Claudino. Didática Geral, Ática, 1997
Piletti, Nelson. História da Educação, Ática, 1991
Libâneo, José Carlos. Didática, Cortês, 1994

2 comentários:

Gabriel Ronald disse...

Foi de suma importância, 0 que li.Gostei muito. Como é amplo o assunto sobre educação





Maria Gabriela A. Teixeira

Jacinta Bezerra disse...

Contribuiu de maneira significativa.